Notícias
o mais importante sobre o mercado imobiliário
Notícias
voltar \ Avaliação bancária das casas sobe para máximos de final de 2007

Avaliação bancária das casas sobe para máximos de final de 2007

01 mar 2019
Avaliação bancária das casas sobe para máximos de final de 2007
Geral
A avaliação bancária voltou a aumentar, em janeiro, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE). Atingiu os 1.226 euros por metro quadrado, o que representa o valor mais elevado desde o quarto trimestre de 2007, quando ascendia a 1.230 euros por metro quadrado, de acordo com o histórico recolhido pelo Negócios.

A avaliação bancária voltou a aumentar, em janeiro, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE). Atingiu os 1.226 euros por metro quadrado, o que representa o valor mais elevado desde o quarto trimestre de 2007, quando ascendia a 1.230 euros por metro quadrado, de acordo com o histórico recolhido pelo Negócios. 

Há 22 meses que a avaliação bancária está a aumentar. "O valor médio de avaliação bancária foi 1.226 euros em janeiro de 2019, mais seis euros que o observado no mês precedente. Este valor representa um aumento de 0,5% relativamente a dezembro de 2018 e de 6,3% face ao mesmo mês do ano anterior", anunciou o INE, esta quarta-feira.


Este valor representa um máximo desde o final de 2007, ou seja, de 11 anos. Nos últimos três de 2007, o valor médio da avaliação bancária foi de 1.230 euros por metro quadro, demonstra o histórico recolhido.

Nas moradias, o valor médio de avaliação subiu seis euros face ao mês anterior, ou 0,54%,para 1.125 euros por metro quadrado. Relativamente ao período homólogo, cresceu 5,6%, ou 60 euros. Já no caso dos apartamentos, registou-se um aumento mensal de 0,31%, ou quatro euros, para 1.288 euros por metro quadrado. Face ao período homólogo, o crescimento foi de 6,9%, ou 83 euros. Há 19 meses que esta avaliação bancária não diminui. 


"A nível regional, a maior subida para o conjunto da habitação registou-se no Alentejo (1,5%), tendo-se verificado a descida mais acentuada na Região Autónoma da Madeira (-1,3%)", acrescenta o INE. Já a taxa de variação homóloga mais elevada para o conjunto das avaliações verificou-se no Algarve (10,5%) e a menor no Região Autónoma da Madeira (3,4%).


No Algarve, Área Metropolitana de Lisboa, Região Autónoma da Madeira, Alentejo Litoral e Área Metropolitana do Porto apresentaram valores de avaliação superiores à média nacional (33%, 26%, 10%, 3% e 1% acima do registado para o País, respetivamente). Já na região da Beira Baixa verificou-se o valor mais baixo em relação à média nacional (-31%).


No caso dos apartamentos, o valor mais elevado foi observado na região do Algarve (1.597 euros por metro quadrado) e o mais baixo no Alentejo (1.014 euros por metro quadrado). Já nas moradias, os valores mais elevados observaram-se também no Algarve (1.600 euros por metro quadrado) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.547 euros por metro quadrado), tendo o Centro registado o valor mais baixo (966 euros por metro quadrado)

Fonte: Jornal de Negócios
Veja Também