Notícias
o mais importante sobre o mercado imobiliário
Notícias
voltar \ Vender a casa? Antes de mais, avaliar e definir um preço de mercado - explicamos como

Vender a casa? Antes de mais, avaliar e definir um preço de mercado - explicamos como

13 jan 2021
Vender a casa? Antes de mais, avaliar e definir um preço de mercado - explicamos como
Para se garantir um negócio de sucesso, vendendo bem e rápido, há que preparar a operação. Especialista de dados indica como proceder.

A pensar em vender a casa? Antes que nada, convém avaliar e definir um preço de mercado, para garantir uma operação de sucesso. Os ingleses usam muito a frase “location, location, location”, exatamente, porque um dos fatores mais significativo para a calcular o valor de uma casa é a sua localização. A área do imóvel e o seu estado de conservação também são critérios essenciais para a avaliação e determinação do preço. Mas há outros fatores que também pesam nesta equação e podem ajudar a fazer melhor negócio. Explicamos tudo neste artigo, com a ajuda de uma especialista. 

Sendo a localização, a área do imóvel e o seu estado de conservação fatores essenciais, há outras características que podem ser fundamentais para um ajuste de preço mais refinado face a outros imóveis comparáveis na zona, tais como equipamentos (ar condicionado, aquecimento central, etc) ou outras características como elevador, parque de estacionamento incluído, arrecadações, e espaços exteriores.

"O mercado imobiliário, como qualquer atividade económica, é regulada pela oferta e a procura e, consequentemente, os preços sofrem impactos de acordo com a quantidade de imóveis em oferta e o nível da procura na zona", explica Inês Campaniço, head of idealista/data em Portugal, considerando que "ter acesso a dados de qualidade do mercado imobiliário é vital para fazer uma análise correta da zona, e chegar ao valor de mercado do imóvel".

Atualmente, existem no mercado bastantes modelos de avaliação automática, como alternativa à avaliação manual, sendo que "a grande maioria é baseada em cálculos demasiado simplificados e pouco confiáveis, por serem desenvolvidos por empresas com pouco ou nenhum conhecimento da dinâmica do mercado imobiliário", alerta a especialista.

A avaliação de imóveis deve sempre ser feita por profissionais experientes e com recurso a modelos desenvolvidos por empresas especializadas. "Os modelos automáticos, quando bem desenvolvidos, são uma ótima base de trabalho para os peritos avaliadores, ajudando no processo de homogeneização e prospeção de imóveis, mas não substituem o parecer de um profissional credenciado", indica ainda.

Por outro lado, no caso de ser necessário pedir ao banco um crédito à habitação, aqui a avaliação de imóveis tem de ser realizada por Peritos Avaliadores e seguir procedimentos específicos, determinados pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e as instituições financeiras, segundo a Lei 153/2015, que regula o acesso e o exercício da atividade dos peritos avaliadores de imóveis que prestem serviços a entidades do sistema financeiro (Lei dos PAI), que regula o acesso e exercício da atividade, a supervisão e o regime sancionatório aplicável ao Perito Avaliador de Imóveis.

Fonte: Idealista News

Veja Também